fbpx

Dez anos a mil: próxima década será de crescimento na produção de grãos no Brasil

Dez anos a mil: próxima década será de crescimento na produção de grãos no Brasil

Dez anos a mil: próxima década será de crescimento na produção de grãos no Brasil

Dados do Ministério da Agricultura estimam que o aumento deve ser de 36,8%

 

As projeções para os próximos dez anos do agronegócio nacional não poderiam ser melhores, visto que o crescimento da produção de grãos no Brasil deve ocorrer de maneira exponencial. De acordo com o Ministério da Agricultura, o aumento chegará a 36,8% até o final da próxima década. Sendo assim, serão 370,5 milhões de toneladas na safra 2031/2032. 

Tal feito será possível em virtude do cenário positivo, sobretudo, nas culturas de algodão, milho de segunda safra e soja. É provável ainda que o mercado interno, as exportações e os ganhos de produtividade contribuam, pois terão adição média de 2,7% ao ano. Nesse sentido, espera-se que a área de produção passe de 74,3 milhões de hectares para 86,9 milhões, isto é, 17% a mais. 

Os dados são do estudo “Projeções do Agronegócio, Brasil 2021/22 a 2031/32”, feito pela Secretaria de Política Agrícola, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), pela Secretaria de Inteligência e Relações Estratégicas, da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), e pelo Departamento de Estatística da Universidade de Brasília (UnB).

 

Regiões onde o agro mais deve crescer em dez anos

Enquanto o Mato Grosso deve liderar a expansão da produção de milho, passando de 41,6 milhões de toneladas na atual safra para 56,9 milhões, na de soja o estado se une ao Pará, Rondônia e Mato Grosso do Sul em termos de relevância. 

Já na região conhecida como Matopiba, formada por Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, a alta na produção de grãos deve passar de 31,8 milhões de toneladas em 2022/2023 para 40,2 milhões ao final do período projetado.

 

Expectativa para a safra 2022/2023 de produção de grãos

Além do futuro promissor, o setor fecha o ano com perspectiva de safra recorde. Isso porque logo após ligeira queda de 0,4% em 2021, os 254,4 milhões de toneladas viraram 312,4 milhões nas estimativas para 2022/2023. Ou seja, os números validam a grande expectativa, já que representam um novo marco da série: acréscimo de 14% em relação ao ciclo anterior. 

Segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a expansão do espaço destinado ao plantio, que também cresceu 2,9% e atingiu 76,6 milhões de hectares, justifica a performance nas colheitas de soja, milho, arroz, feijão, algodão e trigo.

 

Fique seguro: aumento da produção de grãos requer cuidados

Grandes saltos envolvem riscos e, consequentemente, exigem mais cuidados. Esse é um panorama conhecido por quem atua no agronegócio. Porém, diante do alto volume das safras que estão por vir, é crucial buscar atualização em sintonia com as principais tendências do segmento a fim de garantir maior eficiência.

Como em qualquer outro ramo da agricultura e pecuária, eventualmente ocorrem interferências climáticas, políticas e econômicas. Todos esses fatores podem afetar colheita, armazenamento, distribuição e comercialização da produção. Portanto, além de expertise, equipamentos e instalações, garantir segurança e estabilidade ao produtor, com soluções específicas para cada etapa da cadeia produtiva, se torna fundamental. 

Dentre os principais meios, a tecnologia figura como agente importante nessa transição. Investir em processos de gestão automatizados é uma maneira assertiva de garantir mais lucratividade. Atualmente, inovações tecnológicas também geram menos perdas na armazenagem de grãos e no controle logístico. Igualmente beneficiado, o manejo de insumos ganha mais velocidade e economia. 

Além disso, buscar uma modalidade de seguro rural que melhor se adapte ao perfil do produto cultivado é outro sinônimo de longevidade dos negócios. Com foco em perfis individuais, o time de consultores da Sombrero pode oferecer a cobertura ideal para o seu negócio. 

 

Entre em contato e saiba mais sobre nossa metodologia!