Venha conhecer a Gerência Administrativa da Sombrero Seguros

Dividimos em etapas nossa conversa com o Gerente Marcelo Chidid. Na primeira falaremos sobre Pessoas, o recurso mais essencial da empresa. 

“A escolha por iniciar nossas conversas falando sobre a Gerência Administrativa, destacando a área de Pessoas, acontece porque na Sombrero Seguros valorizamos nosso time.”

 

Soubemos que você é graduado em Geografia. Conte para nós o que um Geógrafo foi fazer em uma área Administrativa, cuidando de Pessoas? 

 

Quando estava no IRB Brasil Resseguros pude me tornar gestor e ir além do que a Geografia havia me proporcionado profissionalmente. Ali surgiu o Chidid, um cara que aliou a paixão pelas aulas com uma nova paixão: a gestão. 

Para o setor administrativo, diferentes formações são possíveis e o fator experiência conta bastante. Por mais que estejamos academicamente aptos, é a vivência que nos torna “prontos”, dentro do nosso constante processo de aprendizagem. 

 

Como você chegou até a Sombrero?

 

Quando surgiu o projeto da Sombrero eu estava isolado em Mangaratiba, uma cidade do litoral sul do Rio de Janeiro, dando aulas on-line em razão da pandemia. Pessoas que foram meus gestores à época do IRB Brasil Resseguros me ligaram e chamaram não somente para tocar a área administrativa, mas para participar do projeto de fato, como sócio e investidor, e fazer parte da empresa desde o seu nascimento. Era impossível dizer não, dada a ampla confiança e eterna relação de gratidão, pois foram essas pessoas que acreditaram que o professor poderia virar gestor. 

Lembro de ter dito: “É só dizer o que vocês precisam. Estou dentro!”

Entenda o que a Sombrero leva em consideração na hora de trazer pessoas para o time.

 

Segundo Chidid, é preciso ir além de uma entrevista, de um processo seletivo “comum”. O foco precisa ser entender o entrevistado, avaliar se os perfis pessoa e empresa se conectam. 

“É óbvio que o aprofundamento nos detalhes técnicos das entrevistas é importante, mas cabe à área de Pessoas identificar se a conexão do candidato e da empresa acontece”.

Chidid explica que os critérios curriculares são especificados pelas áreas demandantes da empresa e que, havendo preenchimento de tais critérios, a conexão precisa acontecer.

“Muitas vezes é um profissional excelente em termos técnicos, mas que infelizmente não está no mesmo momento da empresa. E temos que ter este feeling.”

Em resumo, Marcelo busca profissionais que comprem o projeto.

“As pessoas têm que entrar para a Sombrero pelas mesmas razões que nós entramos: têm que acreditar, se comprometerem e se engajarem.”

 

Então você diria que esses são diferenciais dos profissionais da Sombrero? Quais outros você elencaria?

 

Nossa equipe é composta por profissionais com uma sinergia forte, altamente comprometidos e que acreditam no que fazem. Além disso, algo que gosto muito na nossa equipe é a diversidade. Com diferentes origens, etnias, visões de mundo, os profissionais que fazem parte da Sombrero enriquecem muito a composição das equipes e o nosso quadro como um todo. Pessoas de diferentes lugares, posições sociais e histórias de vida muito interessantes. Tudo isso se junta de uma forma muito bacana de ver. Estamos construindo uma equipe heterogênea, multilocalizada e diversa naturalmente.

Essa sinergia e diversidade é muito valorizada, pois reflete o relacionamento próximo e humano que a Sombrero prega. Somos uma empresa que aproxima as pessoas.”

 

Você fala em equipe multilocalizada. O valor dos regionalismos pode ser considerado? Isso não é coisa de geógrafo?

 

“Olha, agora vocês me complicaram (risos). Digamos que tem um pouco do geógrafo também, mas posso dizer que os regionalismos são uma riqueza cultural brasileira. Por que não pode ser um fator positivo também para a empresa? Temos diversas influências regionais. Não é uma empresa com a cara do Rio de Janeiro, de São Paulo, Curitiba ou Brasília. É uma empresa que tem a cara de todos que fazem parte dela.”

 

Por fim, uma mensagem para quem tem interesse em fazer parte do Time da Sombrero:

 

“Fundamental acreditar no projeto, ter comprometimento, espírito de equipe, buscar o crescimento profissional focando no resultado. Ter consciência de que está vindo para um time que quer fazer diferente e ter o melhor resultado, do jeito mais criativo e descomplicado.”